ARTIGOS

Você está em - Home - Artigos - A análise genética e epigenética integrada revelou heterogeneidade da leucemia linfoblástica aguda na síndrome de Down

A análise genética e epigenética integrada revelou heterogeneidade da leucemia linfoblástica aguda na síndrome de Down



Crianças com síndrome de Down(DS) aumentam em 20 vezes o risco de leucemia linfoblástica aguda (LLA). Em comparação com crianças com LLA e nenhum SD (não-LDS), aqueles com SD e LLA (LLA-D) apresentam alterações genéticas incomuns, sugerindo que o LDS-D pode ter características biológicas distintas. Estudos recentes implicaram vários genes no cromossomo 21 em DS-ALL, mas os mecanismos precisos que predispõem crianças com SD à ALL permanecem desconhecidos. Nossa análise genética / epigenética integrada revelou que o DS-ALL exibiu alta heterogeneidade com muitos subtipos. Embora cada subtipo tenha perfis genéticos / epigenéticos semelhantes aos encontrados em não-DS-ALL, a distribuição do subtipo diferiu significativamente entre os grupos. O subtipo parecido com o cromossomo Philadelphia (Ph), uma variante de linhagem B de alto risco relativamente rara em toda a população pediátrica de LLA, foi a forma mais comum em LDS-D. Hipermetilação de RUNX1 no cromossomo 21 também foi encontrada em DS-ALL, mas não em não-DS-ALL. RUNX1 é essencial para a diferenciação de células sanguíneas, especialmente células B; assim, a hipermetilação do promotor RUNX1 em precursores de células B (BCPs) pode estar associada ao aumento da incidência de BCP-ALL em pacientes com SD. Este artigo está protegido por direitos autorais. Todos os direitos reservados.

Fonte: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/31385395

VEJA TAMBÉM:



Texto Original



Children with Down syndrome (DS) are at a 20-fold increased risk for acute lymphoblastic leukemia (ALL). Compared to children with ALL and no DS (non-DS-ALL), those with DS and ALL (DS-ALL) harbor uncommon genetic alterations, suggesting DS-ALL may have distinct biological features. Recent studies have implicated several genes on chromosome 21 in DS-ALL, but the precise mechanisms predisposing children with DS to ALL remain unknown. Our integrated genetic/epigenetic analysis revealed that DS-ALL exhibited highly heterogeneous with many subtypes. While each subtype had genetic/epigenetic profiles similar to those found in non-DS-ALL, the subtype distribution differed significantly between groups. The Philadelphia chromosome (Ph)-like subtype, a high-risk B cell lineage variant relatively rare among the entire pediatric ALL population, was the most common form in DS-ALL. Hypermethylation of RUNX1 on chromosome 21 was also found in DS-ALL, but not non-DS-ALL. RUNX1 is essential for differentiation of blood cells, especially B cells; thus, hypermethylation of the RUNX1 promoter in B cell precursors (BCPs) may be associated with increased incidence of BCP-ALL in DS patients. This article is protected by copyright. All rights reserved.

VEJA TAMBÉM: